Sábado, 9 de Maio de 2009

METAMORFISMO

Processo da dinâmica interna através do qualquer tipo de rocha experimenta um conjunto de transformações mineralógicas e estruturais, mantendo-se, no estado sólido, sob a influência de factores de metamorfismo como tensões e elevadas temperaturas.

 

FACTORES DE METAMORFISMO

A grande diversidade de rochas metamórficas relaciona-se com as condições presentes na sua génese – os factores de metamorfismo, como o calor, tensão, fluidos e tempo.

 

CALOR

A partir de 200 ºC, o calor interno da Terra altera a composição mineralógica e a textura das rochas.

Estabelecem-se novas ligações atómicas, surgem novas redes cristalinas, ou seja, novos minerais.

TENSÃO

No interior da Terra as rochas são sujeitas a dois tipos de tensão.

 

Tensão litostática – resulta do peso da massa rochosa suprajacente; a partir de 3 Km de profundidade exerce-se igualmente em todas as direcções; faz diminuir o volume da rocha durante a metaforização, aumentado a densidade dos minerais.

Tensão não litostática – resulta de forças tectónicas (compreensivas, distensivas, ou de cisalhamento); produzem uma orientação preferencial de certos minerais.

 

FLUIDOS

Durante o processo metamórfica as rochas podem estar em contacto com fluidos circulantes, que reagem com elas alterando a sua composição química e mineralógica.

 

 

METAMORFISMO DE CONTACTO

Metamorfismo termodinâmico que afecta grandes extensões da crosta e está, em geral associado á génese de cadeias montanhosas quer em zonas de colisão de placas continentais, quer em zonas de subducção.

Rochas como a ardósia, filito, micaxisto e gnaisse resultam deste tipo de metamorfismo.

 

METAMORFISMO REGIONAL

Metamorfismo experimentado pelas rochas adjacentes a uma intrusão magmática (formando-se uma aureola de metamorfismo)

O tipo de rocha encaixante, a quantidade de fluidos e a temperatura são factores determinantes do tipo de rocha metamórfica resultante.

Rochas como corneana, quartzito e mármore resultam deste tipo de metamorfismo.

 

 

TEXTURA

A textura das rochas metamórficas é determinada pelo tamanho, forma e arranjo dos seus minerais.

As rochas metamórficas apresentam dois tipos principais de textura – textura foliada e textura não foliada.

O xisto argiloso, ardósia, filito, xito ou micaxisto e gnaisse são exemplos de rochas metamórficas foliadas.

A corneana, quartzito e mármore são exemplos de rochas metamórficas não foliadas.

 

FOLIAÇÃO

Propriedade das rochas metamórficas, resultante do alinhamento preferencial de certos minerais, sob a acção de tensões não litostàticas, originando estruturas planares que se orientam segundo planos paralelos de modo penetrativo por toda a rocha.

A clivagem xistensa, xistosidade e bandado gnaissico são três tipos de foliaçao característicos de rochas de baixo, médio e alto grau de metamorfismo respectivamente.

 

 

CLIVAGEM XISTENSA

Foliação característica de rochas de baixo grau como resultado da orientação paralela de certos minerais face a forças compressivas, originando fissilidade evidente na rocha.

Isto permite que a rocha se divida em laminas mais ou menos paralelas sendo lisas ao tacto.

 

XISTOSIDADE

Foliação característica de rochas de metamorfismo de médio grau  em que as superfícies de fissilidade se apresentam mais brilhantes e irrgulares deivod ao maior desenvolvimento dos minerais micáceos.

 

BANDO GNAISSICO

Tipo particular de foliação, em que as rochas originadas em metamorfismo de alto grau em que os minerais de cor clara são segregados dos minerais lamelares produzindo um bandado característico. A fissilidade destas rochas é reduzida.

 

 



publicado por rjfragoso às 20:37 | link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
Maio 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


posts recentes

Recursos Hidrológicos

NOTÌCIA: AÇORES - Falta d...

GEOLOGIA: Recursos geológ...

GEOLOGIA: Metamorfismo

GEOLOGIA: Deformação das ...

Teria Darwin Errado?

Anatomia Comparada

Mecanismos de evolução II...

Mecanismos de evolução II...

Mecanismos de evolução: F...

arquivos

Maio 2009

Abril 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

blogs SAPO
subscrever feeds